03/03/2022

Selfie do meu marido e eu com roupas de inverno sorrindo no Canadá.

Tantas coisas aconteceram desde a postagem sobre o meu casamento que fica até dificil saber por onde começar esse post. Vou tentar resumir! Me casei em Junho de 2018, aos trinta anos e me mudei para o Canadá cinco meses depois! Foi quando a vida “virou o disco” e a música mudou completamente.

Uma nova vida, outro idioma, novos amigos e um novo trabalho… e eu queria poder falar que foi fácil, mas  definitivamente não foi, e os dias continuam sendo mais de lutas do que de glórias.

O início da mudança

A nossa mudança teve como fator principal o trabalho do meu marido, que foi transferido para trabalhar no Canadá na nova unidade da empresa que ele já trabalhava no Brasil há alguns anos. Desde a proposta da mudança até a mudança, foram alguns poucos meses (uns 7 meses eu acho).

Tivemos um casamento simples que foi planejado em apenas um mês para que tivessemos tempo de correr com a documentação da viagem. Fizemos também uma visita exploratória para conhecer a cidade que iriamos mudar. Era a nossa última chance de mudar de ideia caso não gostassemos da cidade… E não mudamos de ideia. A cidade é maravilhosa!

Saímos do Brasil com destino ao Canadá no dia 13 de Novembro de 2018.

O temido inglês quando a gente chega

Eu com o meu inglês mais técnico do que vivido de fato, me vi perguntando “cadê as legendas em português?” Hahaha Socorro! Eu não tinha o ouvido treinado para ouvir as pessoas falando em inglês e minha deficiência auditiva que já não me ajudava muito em português também estava ali para tornar a experiência um pouco mais desafiante.

Me lembro de na primeira semana tentar assistir à serie Demolidor com audio original em inglês e legendas em inglês, e achei muito difícil. Mudei para RuPaul’s Drag Race onde o inglês estava um pouco mais fácil para entender.

Cursos

Nos primeiros meses, tentei participar de aulas de inglês gratuitas que encontrei pela ilha. Começando pelo curso oferecido pela Victoria Immigrant and Refugee Centre. Para aquele primeiro momento, foi bacana, pois serviu para “quebrar o gelo” e ver que ainda tem muitos imigrantes por aqui que também não falam inglês muito bem e passam pelas mesmas dificuldades. Mas logo achei o curso um tanto quanto fácil, pois tudo que era falado eu já sabia.

Passei a frenquentar um outro curso, dessa vez na igreja The Church of Jesus Christ of Latter-day Saints. O curso estava muito legal, pois era ministrado por um canadense que nos passava várias dicas do dia a dia. Infelizmente ele teve que sair, e ai um casal de brasileiros assumiu as aulas em inglês. Não tinha nada contra o casal, mas não estava sendo a mesma experiência legal de antes pois não havia mais as dicas do dia a dia. Desisti de continuar ali.

Depois de um tempo encontrei um outro canadense que dava aulas de inglês na University of Victoria durante as férias da faculdade. Embarquei nessas aulas que aconteciam sempre aos sabádos. Todas as aulas muito maravilhosas e muito conteúdo que a gente só aprende vivendo mesmo. Infelizmente as aulas foram canceladas quando a pandemia surgiu e eu não tive mais notícias desse curso.

Aquele adeus que não queremos nunca dar

Seis meses após a mudança para o Canadá, o meu pai faleceu. Eu queria poder ter pego um voo direto pro Brasil, mas com seis meses morando aqui nós ainda não tinhamos reservas financeiras para voltar. Esse é o primeiro perrengue que devemos estar mentalmente preparados para passar – a perda de algum ente querido, não é nada fácil.

Carreira

Desde a nossa chegada no Canada eu tentei me preparar para continuar trabalhando com desenvolvimento de sites. Mas as poucas oportunidades que tive aqui como freelance me fizeram perceber que eu não queria mais continuar nessa carreira. E ai a crise existencial pegou… e confesso que ainda não me vejo livre dela. Eu sou uma pessoa super criativa, mas aqui me sinto as vezes “presa” e não consigo fazer uso dessa minha criatividade toda.

Quando quase completei um ano aqui, eu comecei a trabalhar em uma loja da rede TJX. Foi essencial para me ajudar a desbloquear aquele medo de falar em inglês e ser julgada por não ser boa nisso. O legal de trabalhar lá, é poder ter contato com pessoas do mundo todo que estão passando pelas mesmas inseguranças. Poder conhecer novas e diferentes culturas é algo tão legal que eu recomendo a todos.

Eu sigo trabalhando na mesma loja, mas não sei até quando. Gostaria muito de conseguir algum outro trabalho que pagasse um salário maior, porém ainda não encontrei algo que eu queira de fato fazer. A carreira mesmo segue sem rumo. Espero um dia reencontrar meu caminho.

Passeios

Infelizmente ainda não pudemos conhecer muito da ilha que moramos… muitos dos passeios mais legais por aqui precisa de carro para chegar e nós não temos nem a habilitação para dirigir aqui.

Os lugares que já visitamos eu compartilhei no meu Instagram na aba de guias: Lugares para se visitar em Victoria


Dois anos se passaram desde o meu último post… eu vou tentar não ficar mais tão ausente como fiquei, porém eu não prometo nada…. hahaha

post feito por:

Nenhum comentário em “Três anos e quatro meses de Canadá”.

Nenhum comentário ainda... porque não comenta?

Deixe um comentário